Robô explorador de labirintos, utilizando Inteligência Artificial com Arduino

Esta é a segunda e última parte de um projeto mais complexo, que explora a potencialidade de um robô seguidor de linha. Nesta etapa, aplicaremos conceitos de inteligência artificial na exploração de labirintos, implementando algoritmos que nos ajudarão a encontrar o caminho da saída mais curto e rápido.

Este projeto foi desenvolvido a partir de meu último tutorial: “Rex”, um robô que nunca perde a linha! Depois de se conseguir desenvolver um robô com capacidade para seguir linhas, o próximo passo natural é sem dúvida, dar-lhe algum grau de inteligência. Assim, nessa etapa, o nosso querido “Rex, o Robô” tentará encontrar uma forma de escapar de um “labirinto” tomando o caminho mais curto e o mais rápido possível.
A propósito, Rex odeia o Minotauro….. 😉

A maioria dos labirintos, por mais complexa sua concepção possa parecer, foram essencialmente formados a partir de uma parede contínua com muitos cruzamentos e bifurcações. Se a parede circundante do objectivo final de um labirinto está ligado ao perímetro do labirinto na entrada, o labirinto sempre poderá ser resolvido mantendo-se uma mão em contacto com a parede, não importando os muitos desvios que possam existir. Estes labirintos “simples” são conhecido como “Simply-connected” ou “perfeitos”, ou em outras palavras, que não contêm loops.

Voltando ao nosso projeto, ele será dividido em duas partes:

1. (Primeira passada): O robô encontrará o seu caminho para sair de um labirinto perfeito desconhecido. Não importa onde você o colocar dentro do labirinto, ele sempre encontrará uma “solução de saída”.

2. (Segunda passada): Uma vez que o robô encontrou uma possível solução para sair do labirinto, ele deve otimizar-la, encontrando o caminho mais curto para ir do início ao fim.

O vídeo abaixo, mostra um exemplo do robô encontrando seu caminho para sair do labirinto (chegar “ao final”). Na primeira vez que o robô explora o labirinto, é claro que vai perder muito tempo “pensando” sobre o que fazer em todo e qualquer cruzamento. Para testar as possibilidades, ele tomará vários caminhos errados e becos sem saída, o que faz com que ele escolha caminhos mais longos e execute várias  “marcha-rés” desnecessárias.

Durante esta”1ª passada”, o robô irá acumulando experiências, “tomando notas” sobre os diferentes cruzamentos e eliminando os atalhos ruins. Em sua “segunda passada”, o robô irá direta e rapidamente ao final do labirinto sem qualquer erro ou dúvida. Ao longo deste tutorial,  exploraremos em detalhes como fazê-lo:

LISTA DE MATERIAIS:

A lista de materiais é basicamente a mesmo que usamos com robô seguidor de linha, exceto que foram incluídos 2 Sensores adicionais para uma melhor precisão na detecção da cruzamentos a esquerda e a direita. O preço final do robô, continua barato (cerca de US$85,00):

  • Corpo (pode ser adaptado para as suas necessidades):
    • 2 quadrados de madeira (80x80mm)
    • 3 Grampos de papel
    • 2 rodas de madeira (diâmetro: 50 mm)
    • 1 roda “solta” (Caster)
    • 9 Elásticos
    • Fita 3M “Command”
    • Articulações plásticas para fixação do sensor
  • Protoboard e fiação
  • 2 conjuntos de baterias (4XNi-metal hidreto) –  5V cada conjunto
  • 2 Servos de Rotação Contínua (SM-S4303R)
  • Arduino Nano
  • Módulo Bluetooth  HC-06
  • 5 sensores x Linha (TCRT5000 4CH Infrared Linha Pista Seguidor Módulo Sensor + 1 sensor de Pista independente)
  • 2 sensores ZX03 (baseado no TCRT5000) Reflective Infrared Sensors (saída analógica)
  • 1 LED
  • 1 Botão

ALTERAÇÕES AO CORPO DO ROBÔ

Retirar o conjunto original dos 5 Sensores e fixar os novos sensores reflectivos aos extremos esquerdo e direito da barra de suporte plástica.

É aconselhável manter os 7 sensores o mais alinhado possível.

Instalação e testes dos novos sensores

A nova matriz de 7 sensores, é montado de forma a que os 5 originais sejam utilizados exclusivamente para o controlo PID e detecção da “linha completa” (explicado mais adiante) e que os novos 2 sensores somente para a detecção dos cruzamentos a esquerda e a direita.

Como uma rápida revisão, vamos lembrar como os 5 sensores originais “digitais” trabalham:

Se um sensor está centrado em relação à linha preta, este irá produzir um sinal HIGH. Por outro lado, o espaço entre os sensores devem ser calculados de tal modo a permitir que dois sensores possam cobrir a largura total da linha preta produzindo assim um sinal HIGH simultaneamente em ambos os sensores.

Como os 2 novos sensores “analógicos” trabalham:

Se um dos sensores está centrado em relação à linha preta, o resultado observado na saída do ADC interno do Arduino será geralmente menor que “100” (lembre-se que o ADC produz uma saída que vai de 0 a 1023). Sobre superfícies mais claras, o valor de saída deverá ser maior (500 a 600 sobre papel branco, por exemplo). Estes valores devem ser testado em diferentes situações de luz de superfície e de materiais para se definir a constante LIMIAR (“THRESHOLD”) correta a ser usada (ver o quadro aqui).

Abaixo, o diagrama mostrando os componentes conectados ao Arduino:

Maze Solver Circuit

Olhando o código do Arduino, cada um dos sensores será definido com um nome específico:

// LFSensor more to the Left is "0"
const int lineFollowSensor0 = 12; //Using Digital input
const int lineFollowSensor1 = 18; //Using Analog Pin A4 as Digital input
const int lineFollowSensor2 = 17; //Using Analog Pin A3 as Digital input
const int lineFollowSensor3 = 16; //Using Analog Pin A2 as Digital input
const int lineFollowSensor4 = 19; //Using Analog Pin A5 as Digital input

const int farRightSensorPin = 0; //Analog Pin A0
const int farLeftSensorPin = 1; //Analog Pin A1

 

Recordando, as possíveis combinações de saída para a matriz de 5 sensores original do seguidor de linha são:

  • 0 0 0 0 1
  • 0 0 0 1 1
  • 0 0 0 1 0
  • 0 0 1 1 0
  • 0 0 1 0 0
  • 0 1 1 0 0
  • 0 1 0 0 0
  • 1 1 0 0 0
  • 1 0 0 0 0

Com a adição dos 2 novos sensores, as suas saídas possíveis são:

  • Sensor Esquerdo: Saída Analógica maior ou menor do que o valor definido de THRESHOLD
  • Sensor Direito: Saída Analógica maior ou menor do queo valor definido de THRESHOLD

A fim de armazenar os valores de cada um dos sensores uma variável tipo matriz  (Array) é criada para os sensores digitais originais 5:

int LFSensor[5]={0, 0, 0, 0, 0};

E duas variáveis do tipo inteiras para os 2 novos sensores analógicos:

int farRightSensor = 0;
int farLeftSensor = 0;

As variáveis serão constantemente actualizadas dependendo do estado de cada um dos sensores:

LFSensor[0] = digitalRead(lineFollowSensor0);
 LFSensor[1] = digitalRead(lineFollowSensor1);
 LFSensor[2] = digitalRead(lineFollowSensor2);
 LFSensor[3] = digitalRead(lineFollowSensor3);
 LFSensor[4] = digitalRead(lineFollowSensor4);
 
 farRightSensor = analogRead(farRightSensorPin);
 farLeftSensor = analogRead(farLeftSensorPin);

Possuindo 5 sensores, como se viu no projeto do Robô seguidor de linha, se permite a geração de uma “variável de erro” que ajudará a controlar a posição do robô sobre a linha. Essa variável de erro será mantida e uma nova denominada “mode” será incluída para saber se o robô está seguindo uma linha, sobre uma linha contínua, uma intersecção ou fora da linha.

Esta variável “mode” será usada também com os novos sensores de esquerda e direita. Consideremos que os novos sensores da esquerda e da direita geraram 3 estados possíveis: H (maior do que THRESHOLD), L (menor do que oTHRESHOLD) e X (irrelevante). Para as saídas digitais, manteremos “0”, “1” e também introduziremos o “X”:

Intersection

X 1  1  1  1  1 X ==> mode = CONT_LINE; error = 0;
H 0 X X X X L ==> mode = RIGHT_TURN; error = 0;  (Veja o exemplo na imagem acima)
L X X X X 0 H ==> mode = LEFT_TURN; error = 0;
X 0 0 0 0 0 X ==> mode = NO_LINE; error = 0;
H 0 0 0 0 1 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = 4;
H 0 0 0 1 1 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = 3;
H 0 0 0 1 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = 2;
H 0 0 1 1 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = 1;
H 0 0 1 0 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = 0;
H 0 1 1 0 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = -1;
H 0 1 0 0 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = -2
H 1 1 0 0 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = -3;
H 1 0 0 0 0 H ==> mode = FOLLOWING_LINE; error = -4;

Assim, a implementação da lógica acima na função:

void readLFSsensors()

irá retornar as variáveis “mode” e “error” que serão utilizados na lógica do programa.

É importante testar a lógica dos sensores antes de seguir com o projeto. A função de teste abaixo está incluída no código e poderá ser usado para fins de ensaio:

void testSensorLogic(void) 
{
    Serial.print (farLeftSensor);
    Serial.print (" <== LEFT RIGH==> ");
    Serial.print (farRightSensor);
    Serial.print (" mode: ");
    Serial.print (mode);
    Serial.print (" error:");
    Serial.println (error);
}

Resolvendo o labirinto – a regra da mão esquerda

Como discutido na introdução deste tutorial, a maioria dos labirintos são essencialmente formados a partir de uma parede contínua com muitos cruzamentos e desvios.

Pesquisando na Wikipedia, aprendemos que “o seguidor da parede” é o algorítmo mais conhecido para percorrer labirintos. É também conhecido como “regra da mão esquerda” ou a “regra da mão direita”. Se o labirinto é simplesmente conectado, isto é, todos as suas paredes são ligadas entre si, mantendo-se uma mão em contato com uma das paredes do labirinto é garantido que chegará a uma saída. Usaremos aqui a “Regra da mão esquerda”.

Em resumo, a regra da mão esquerda pode ser descrito como:

  • Coloque a mão esquerda na parede.
  • Comece a andar para a frente
  • Em cada cruzamento, e ao longo do labirinto, manter a sua mão esquerda tocando na parede à sua esquerda.
  • Eventualmente, você vai chegar ao final do labirinto. Você provavelmente não vai seguir o caminho mais curto e mais direto, mas você chegará lá.

Portanto, a chave aqui é identificar as intersecções, definindo que medidas tomar com base nas regras acima. Especificamente no nosso tipo de labirinto em 2D , podemos encontrar 8 tipos diferentes de intersecções :

Intersections types

Olhando a imagem acima, podemos perceber que as possíveis ações nos cruzamentos são:

  1. Em um “cruzamento tipo cruz”
    • Vá para a esquerda ou
    • Vá para a direita ou
    • Siga em frente ou
  2. Em um “T”:
    • Vá para a esquerda ou
    • Vá para a direita
  3. Em um “virar somente a direita”:
    • Vá para a direita
  4. Em um “virar somente a esquerda”:
    • Vá para a esquerda
  5. Em um a frente ou esquerda:
    • Vá para a esquerda ou
    • Siga em frente
  6. Em um a frente ou ou a direita:
    • Vá para a direita ou
    • Siga em frente
  7. Em um beco sem saída:
    • Volte
  8. No final do labirinto:
    • Pare

Aplicando-se  a “regra da mão esquerda” a lista acima, será reduzida a apenas uma opção para uma cada uma das possibilidades:

  1. Em um “cruzamento tipo cruz”
    • Vá para a esquerda
  2. Em um “T” (Transversal):
    • Vá para a esquerda
  3. Em um “virar somente a direita”:
    • Vá para a direita
  4. Em um “virar somente a esquerda”:
    • Vá para a esquerda
  5. Em um a frente ou esquerda:
    • Vá para a esquerda
  6. Em um a frente ou ou a direita:
    • Siga em frente
  7. Em um beco sem saída:
    • Volte
  8. No final do labirinto:
    • Pare

Estamos quase lá. Quando o robô atinge um beco sem saída é fácil identificá-lo, porque não existem situações ambíguas (já implementamos essa ação com o Robô seguidor de linha). O problema está quando o robô encontra uma “linha” por exemplo, pois a linha pode ser parte de um cruzamento tipo “cruz” (1) ou de um “T” (2) ou mesmo um “Final” (8). Além disso, quando o robô chega a um “virar à esquerda ou à direita”, esses cruzamentos podem ser os do tipo simples (opções 3 ou 4) ou opções que podem ir para a frente (5 ou 6). Para se descobrir exatamente em que tipo de intersecção está o robô, é necessário incorporar um passo adicional: o robô deve “dar um passinho a frente” ou seja rodar o que chamamos de “extra inch” e assim “ver” o que vem por adiante:

Maze4
Em termos de fluxo, todas as acções possíveis podem ser descritas como:

  • Em um beco sem saída:
    • Volte
  • Em uma linha:
    • Executar uma polegada extra
    • Se há uma linha:
      • É uma “cruz” ==> Ir para ESQUERDA
    • Se não houver nenhuma linha:
      • é um “T” ==> Ir para ESQUERDA
    • Se houver outra linha:
      • É o fim de Maze ==> PARAR
  • Em uma curva à direita:
    • Executar uma polegada extra
    • se há uma linha:
      • É ir a frente ou virar a direita ==> ir direto
    • Se não houver nenhuma linha:
      • é um virar obrigatoriamente a direita==> Ir para DIREITA
  • Em uma curva à esquerda:
    • Executar uma polegada extra
    • se há uma linha:
      • É ir a frente ou virar a esquerda ==> virar a esquerda
    • Se não houver nenhuma linha:
      • é um virar obrigatoriamente a esquerda==> Ir para ESQUERDA

Note-se que de facto, no caso de um “virar à esquerda”, você poderá pular o teste porque o robô tomará à esquerda de qualquer maneira. Deixei a explicação mais genérica somente para claridade. No código real ignorarei este teste.

IMG_3474

 

A foto ao lado , é de um labirinto bem simples que desenhei no chão do meu laboratório, usando fita isolante de 18mm (3/4) que uso para testes (ainda bem que minha mãe não viu!!!! ;-0:

Aplicando o algorítmo “Left Hand on the Wall” ao código do Arduino

Uma vez que já temos a função  readLFSsensors () modificada, para incluir os 2 sensores adicionais, podemos também re-escrever a função “Loop” introduzindo o algoritmo como descrito anteriormente:

void loop() 
{
     readLFSsensors(); 
     switch (mode)
     { 
         case NO_LINE: 
            motorStop();
            goAndTurn (LEFT, 180);
            break;
         case CONT_LINE: 
            runExtraInch();
            readLFSsensors();
            if (mode == CONT_LINE) mazeEnd();
            else goAndTurn (LEFT, 90); 
            break;
         case RIGHT_TURN: 
            runExtraInch();
            readLFSsensors();
            if (mode == NO_LINE) goAndTurn (RIGHT, 90); 
            break; 
         case LEFT_TURN: 
            goAndTurn (LEFT, 90); 
            break; 
         case FOLLOWING_LINE: 
            followingLine();
            break; 
 
     }
}

Algumas funções importantes aparecem aqui.

followingLine() é a mesma utilizada com o robô seguidor de linha, que quando se está apenas seguindo uma linha, deve-se: calcular o PID e controlar os motores, dependendo dos valores dos ganhos da malha de controle usando a função: motorPIDcontrol ();

runExtraInch (): vai empurrar o robô para a frente um pouquinho. Quanto o robô se moverá, dependerá do tempo que você usa na função delay(), antes que mande parar os motores.

void runExtraInch(void)
{
    motorPIDcontrol();
    delay(extraInch);
    motorStop();
}

goAndTurn (direction, angle): Esta função é importante, porque você na verdade não pode virar o robô, tão logo perceba o tipo de intersecção em que está. Lembre-se que projectamos um robô do tipo diferencial que, quando faz curvas, “gira em torno do seu eixo”. Assim, para sair de um cruzamento, girar 90 graus e continuar movendo-se sobre a linha, o centro das rodas deve obrigatoriamente estar alinhado com o centro da intersecção. Uma vez que a linha dos sensores está à frente do eixo das rodas, o robô deve mover-se para a frente para alinhá-los. Os moteres devem funcionar por um tempo “t” dependendo da distância entre a linha dos sensores e o eixo dos motores ( “d”), velocidade e tamanho das rodas. Esta constante de tempo “t” é  no código: adjGoAndTurn, que deve ser ajustada dependendo de seu projeto:

Turn_Explanation

void goAndTurn(int direction, int degrees)
{
    motorPIDcontrol();
    delay(adjGoAndTurn);
    motorTurn(direction, degrees);
}

Neste ponto, o robô já está “resolvendo um labirinto”!  Você acabou de terminar o “Primeiro Passo”. Não importa onde você começar dentro de um labirinto, você chegará ao final.

Abaixo, um vídeo mostrando um teste para esta fase do projeto:

Tomando nota do Caminho

Consideremos o exemplo abaixo:

Maze1

Partindo do ponto escolhido, o robô encontrará 15 Interseções antes de chegar ao final do labirinto:

  1. Esquerda (L)
  2. Back (B)
  3. Esquerda (L)
  4. Esquerda (L)
  5. Esquerda (L)
  6. Back (B)
  7. Reto (S)
  8. Back (B)
  9. Esquerda (L)
  10. Esquerda (L)
  11. Back (B)
  12. Reto (S)
  13. Esquerda (L)
  14. Esquerda (L)
  15. Fim

O que deve ser feito em qualquer um desses cruzamentos é “salvar a decisão tomada” na mesma sequência em que aconteça. Para isso, vamos criar uma nova variável (matriz) que irá armazenar o caminho que o robô tenha tomado:

A variável path[] e 2 índices variáveis, serão utilizados em conjunto para se gravar os passos:

char path[100] = "";
unsigned char pathLength = 0; // the length of the path
int pathIndex = 0; // used to reach an specific array element.

Voltando ao exemplo, uma vez percorrido todo o circuito, as variáveis ficariam:

path = [LBLLLBSBLLBSLL] e  pathLengh = 14

Simplificando (otimizando) o Caminho

Voltemos ao nosso exemplo. Olhando para o primeiro grupo de cruzamentos, percebemos que o primeiro ramo esquerdo é na verdade um “Dead End”, e assim, se o robô em vez de um “lateral-esquerdo-esquerdo” apenas tivesse seguido reto nesse primeiro cruzamento, uma grande quantidade de energia e tempo seriam salvas! Em outras palavras, uma sequência do tipo “LBL”, de facto, seria o mesmo que “S”.

Maze2

Isso é exatamente como o caminho completo pode ser otimizado. Se você analisar todas as possibilidades onde um “U turn” (back) é utilizado, o conjunto de 3 cruzamentos onde o”U-Turn” ( “B”) aparece  (“xBx”) poderá ser reduzido para apenas um.

A descrição acima é apenas um exemplo, abaixo podemos encontrar a lista completa de possibilidades:

LBR = B
LBS = R
RBL = B
SBL R =
SBS = B
LBL = S

Aplicando-se as substituições acima para o caminho completo de nosso exemplo, podemos reduzi-lo a:

path = [LBLLLBSBLLBSLL] ==> LBL = S

path = [SLLBSBLLBSLL] ==> LBS = R

path = [SLRBLLBSLL] ==> RBL = B

path = [SLBLBSLL] ==> LBL = S

path = [SSBSLL] ==> SBS = B

path = [SBLL] ==> SBL = R

path = [RL]

Olhando para o exemplo, é muito claro que se o robô gira para a DIREITA logo no primeiro cruzamento e depois disso, à esquerda, ele chegará ao final do labirinto pelo caminho mais curto!

Maze3

A primeira passada será consolidada na função mazeSolve (). Esta função é, de facto, a função loop () utilizada anteriormente, onde se incorporaram as etapas de armazenamento e otimização do caminho. Quando a primeira passada termina, a variavel path[] conterá o caminho já optimizado.

Uma nova variável é introduzida para sinalizar o final da “passada”:

unsigned int status = 0; // solving = 0; reach end = 1

Abaixo a função completa para a primeira etapa do programa:

void mazeSolve(void)
{
   while (!status)
   {
      readLFSsensors(); 
      switch (mode)
      { 
         case NO_LINE: 
            motorStop();
            goAndTurn (LEFT, 180);
            recIntersection('B');
            break;
         case CONT_LINE: 
            runExtraInch();
            readLFSsensors();
            if (mode != CONT_LINE) {goAndTurn (LEFT, 90); recIntersection('L');} // or it is a "T" or "Cross"). In both cases, goes to LEFT
            else mazeEnd(); 
            break;
         case RIGHT_TURN: 
            runExtraInch();
            readLFSsensors();
            if (mode == NO_LINE) {goAndTurn (RIGHT, 90); recIntersection('R');}
            else recIntersection('S');
            break; 
         case LEFT_TURN: 
            goAndTurn (LEFT, 90); 
            recIntersection('L');
            break; 
         case FOLLOWING_LINE: 
            followingLine();
            break; 
 
       }
   }
}

Aqui uma nova função foi introduzida: recIntersection (direction)

Esta função será a usada para armazenar as decisões tomadas nos cruzamentos e também para chamar outra importante função: simplifyPath(), que irá otimizando “em tempo real” o grupo de 3 cruzamentos envolvendo “U-Turn”, como vimos anteriormente.

void recIntersection(char direction)
{
    path[pathLength] = direction; // Store the intersection in the path variable.
    pathLength ++;
    simplifyPath(); // Simplify the learned path.
}

O crédito para a criação da função simplifyPath () é de Patrick McCabe. Eu apenas a incluí ao meu código (para mais detalhes, visite patrickmccabemakes.com):

void simplifyPath()
{
   if(pathLength < 3 || path[pathLength-2] != 'B') // only simplify the path if the second-to-last turn was a 'B'
   return;
   int totalAngle = 0;
   int i;
   for(i=1;i<=3;i++)
   {
     switch(path[pathLength-i])
     {
        case 'R':
           totalAngle += 90;
           break;
        case 'L':
           totalAngle += 270;
           break;
        case 'B':
           totalAngle += 180;
           break;
      }
    }
    totalAngle = totalAngle % 360;  // Get the angle as a number between 0 and 360 degrees.
    switch(totalAngle) // Replace all of those turns with a single one.
    {
       case 0:
          path[pathLength - 3] = 'S';
          break;
       case 90:
          path[pathLength - 3] = 'R';
          break;
       case 180:
          path[pathLength - 3] = 'B';
          break;
       case 270:
          path[pathLength - 3] = 'L';
          break;
     }
     pathLength -= 2; // The path is now two steps shorter.
}

A segunda passada: resolvendo o labirinto o mais rápido possível!

O programa principal: loop () é bem simples:

void loop() 
{
    ledBlink(1);
    readLFSsensors(); 
    mazeSolve(); // First pass to solve the maze
    ledBlink(2); // end 1st pass
    
    while (digitalRead(buttonPin) && !mode) { }
    pathIndex = 0;
    status = 0;
    mazeOptimization(); //run the maze as fast as possible
    ledBlink(3); // end of 2nd pass. Maze solved!
}

Assim, quando a primeira passada termina, o que devemos fazer é apenas “alimentar” o robô com o caminho otimizado. Ele vai começar a percorrer o labirinto novamente e quando uma intersecção for encontrado, ele não mais tomará decisões, mas simplesmente seguirá o que está armazenado na variável path [].

Para a segunda passada usamos a função mazeOptimization(), que por sua vez, chama a função mazeTurn(path[]) que comandará os movimentos do robô nessa segunda passada:

void mazeOptimization (void)
{
   while (!status)
   {
      readLFSsensors(); 
      switch (mode)
      {
         case FOLLOWING_LINE:
            followingLine();
            break; 
         case CONT_LINE:
            if (pathIndex >= pathLength) mazeEnd (); 
            else {mazeTurn (path[pathIndex]); pathIndex++;}
            break; 
         case LEFT_TURN:
            if (pathIndex >= pathLength) mazeEnd (); 
            else {mazeTurn (path[pathIndex]); pathIndex++;}
            break; 
         case RIGHT_TURN:
            if (pathIndex >= pathLength) mazeEnd (); 
            else {mazeTurn (path[pathIndex]); pathIndex++;}
            break; 
      } 
   } 
}
void mazeTurn (char dir) 
{
   switch(dir)
   {
      case 'L': // Turn Left
         goAndTurn (LEFT, 90); 
         break; 
      case 'R': // Turn Right
         goAndTurn (RIGHT, 90); 
         break; 
      case 'B': // Turn Back
         goAndTurn (RIGHT, 180); 
         break; 
      case 'S': // Go Straight
         runExtraInch(); 
         break;
    }
}

A segunda passada está feita!

O vídeo abaixo mostra o exemplo trabalhado aqui completo, onde Rex encontra seu caminho para livrar-se do Minotauro! 😉

O código Arduino completo para este projeto, poderá ser encontrado no link abaixo:

Codigo para o Arduino

Usando o aplicativo Android para o ajuste

A App Android desenvolvido para o projeto do Robô seguidor de Linha também pode ser usado aqui.  O código Arduino apresentado na última etapa já inclui comunicação com o dispositivo Android, mas se não quiser usar-lo não há problema, porque o código é “transparente”.

Eu usei bastante o dispositivo Android durante o projeto para enviar dados de teste do robô para o dispositivo, utilizando-se o campo de “Mensagem recebida”.

Diversas variáveis devem ser bem definidas, a fim de garantir que o robô gire corretamente. Os mais importantes estão abaixo (os marcados em negrito tive mudar-los várias vezes):

const int power = 250;
const int iniMotorPower = 250;
const int adj = 0;
float adjTurn = 8;
int extraInch = 200;
int adjGoAndTurn = 800;
const int THRESHOLD = 150;
float Kp=50;
float Ki=0;
float Kd=0;

CONCLUSÃO

Esta é a segunda e última parte de um projeto complexo, explorando a potencialidade de um robô seguidor de linha, onde aplicando-se conceitos de inteligência artificial se conseguiu explorar labirintos,  encontrando o caminho da saída mais curto e rápido.

Espero que esse trabalho possa contribuir para que outras pessoas possam aprender mais sobre eletrônica, robôs, Arduino, etc.

Não deixe de visitar e seguir minha página: MJRoBot.org no Facebook

Saludos desde el sur del mundo! 😉

Um abraço e até o próximo post!

Obrigado

Marcelo

Anúncios

Autor: mjrovai

Engenheiro, neto do Bruno e da Da Elide, filho do seu Rovai e da Da Zelinha, casado com a Ilza, pai da Paula e vivendo em Santiago de Chile

Um comentário em “Robô explorador de labirintos, utilizando Inteligência Artificial com Arduino”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s