Arquivos para janeiro 2016

 

bluetooth-logo

Uma rede sem fio local (e pessoal) porreta é sem dúvida a Bluetooth (BT). Hoje em nosso dia-a-dia é comum encontrar-nos com celulares, aparelhos de som, cameras, etc., entrelaçados com a ajuda da famosa “luzinha azul”

No mundo do IoT e da automação em geral, é muito comum deparar-nos com controles remotos via celulares utilizando tecnologia BT. Isso é devido a 2 componentes básicos mas muito importantes:

  1. Plataforma de desenvolvimento para OS ANDROID
  2. Módulos BT baratos e acessíveis (Como por exemplo o HC-06)

Neste tutorial, vou desenvolver algumas idéias de como controlar as saídas de um Arduíno através de um celular de maneira a mover um Robot, acionar lâmpadas em uma casa, etc.

No mercado é comum encontrar módulos de BT 3.0  “Master-Slave” como o HC-05  e “Slaves” como o HC-06. Já mais recentemente, apareceram os HC-08 e HC-10 que trabalham com tecnologia BT 4.0 ou BLE (“Bluetooth Low Energy”). Os módulos BLE são os únicos que podem ser conectados a um Iphone, pois infelizmente a Apple não fornece suporte a ao BT 3.0.

Para os projetos discutidos aqui, usarei um HC-06 que é bem popular e barato (Bye, bye, Iphone, vamos de Android!). O Módulo é alimentado com 5V o que faz com que ele seja facilmente conectado a um Arduino

HC06 PinsUNO por exemplo, para receber e transmitir informações a outros dispositivos como um PC ou um telefone celular. Seus pinos de transmissão e recepção podem ser conectados diretamente ao UNO, não havendo a necessidade de se utilizar divisores de tensão como vimos no caso do ESP8266.

Na prática, o HC-06 deve ser ligado diretamente aos pinos 0 e 1 do Arduino (Serial):

  • HC06-Tx ao Arduino pin 0 (Rx)
  • HC06-Rx ao Arduino pin 1 (Tx)

Ao se usar a entrada serial por HW do UNO é muito importante lembrar-se que o HC-06 não pode estar fisicamente conectado aos pinos 0 e 1 durante a carga do programa, isso porque o USB também usa essa mesma serial.  Uma maneira simples de se contornar esse probleminha (se seu projeto não utiliza muitos GPIOs do UNO) é usar uma porta serial por SW através da library SoftwareSerial (a mesma que usamos no caso do ESP8266). Em nosso caso aqui, usaremos os pinos 10 e 11 do UNO (Tx, Rx respectivamente).

UNO-HC06

Continue lendo…

Anúncios

Para começar (e se desenvolver) no mundo da eletrônica, o melhor caminho sem dúvida é a internet! Vai aqui uma super dica de como se tornar um grande programador através da técnica do “Psychding”:

Psychding

Heheheheheh! Seria bom se só isso resolvesse! Mas ajuda, claro! Mas para aprender mesmo, vale a pena uns cursos, muita leitura e claro, “mãos na massa!”. Para o pessoal que está no Brasil um site muito legal é o:

Laboratório de Garagem

Como o pessoal do Garagem mesmo explica, “O Laboratório de Garagem é uma iniciativa voltada para a integração, colaboração e apoio aos desenvolvedores independentes de ciência e tecnologia, ou como gostamos de ser chamados: garagistas.

Somos uma rede social, uma incubadora, uma loja virtual e um grupo de pessoas que acreditam que a próxima revolução pode (e vai) sair de uma garagem, ainda mais se ela estiver conectada a muitas outras garagens.

Eu também sou um dos garagistas e tenho procurado dar meus pitecos por lá. Vale a pena se associar, participar, mandar sugestões, etc. O pessoal de lá é muito legal, estão sempre prontos a ajudar, não importando se as dúvidas são básicas ou complicadas!

O Lab de Garagem por exemplo, tem um curso on-line básico muito legal (em português) para quem quer se iniciar no mundo dos Arduinos:

Curso Arduino – Loboratorio de Garagem

É isso aí! Inté!

Marcelo Rovai no Garagem

Depois de um longo e tenebroso inverno, chegamos ao ponto de acionar LEDs (ou qualquer coisa) remotamente via WiFi. Para quem entrou direto nesse post, vale a pena dar uma sapeada em meus 2 posts anteriores:

  1. O ESP8266 – Serial WIFI Module
  2. O ESP8266 parte 2 – Web Server

A diferença básica aqui, é que ao invés do Arduino criar uma pagina web para enviar as informações capturadas, agora será uma página criada anteriormente em HTML e hospedada em algum sitio web (no nosso caso aqui estará em emu desktop) que enviará os dados. Esta pagina estará recebendo comandos de um usuário enviando-os via WiFi ao Arduino.

LED Ctrl

Continue lendo…

O ESP8266 parte 2 – Web Server

19 19UTC janeiro 19UTC 2016 — 2 Comentários

Em meu post anterior procurei descrever o que é, como ligar, testar e configurar o ESP8266 (vamos chamar-lo ESP para simplificar). Aqui vamos dar uma pincelada no que se deve fazer com o ESP para interagir com os GPIOs do Arduino remotamente via web .

Alguém disse uma vez “If you can blink a LED you can do anything”. No mundo dos sistemas embebidos (“Embebed systems”), esse dizer é uma verdade verdadeira ululante! Quando você faz com que um LED acenda a partir de um sinal gerado em uma das portas do Arduino, ou que ele possa ler o status de uma chave ou sensor, o que está realmente acontecendo é a interação do mundo da eletrônica com o mundo físico! Conseguir essa interação via uma página da internet é de fato toda a essência do IoT.

image

Continue lendo…

Caminho das pedras para fazer o set-up e testar o modulo ESP8266 com um Arduino MEGA.

Continue lendo...

No meu último post, comentei que o curso que fiz através da plataforma EDX me ajudou a re-descobrir o mundo da eletrônica. De lá para cá, tenho nas horas vagas procurado fazer alguns cursos tanto do EDX quanto do COURSERA. Essas plataformas são a ponta de lança para que grandes universidades ou empresas possam propiciar cursos on-line. Em geral a qualidade é muito boa e a profundidade depende da instituição ou do tema. Como regra geral, eu diria que os cursos do EDX são mais complexos, profundos e necessitam bastante dedicação e tempo. Já os do COURSERA, são mais superficiais e rápidos. Esses cursos são conhecidos como MOOC (Massive Open Online Course) e seguramente vão transformar a educação como a conhecemos hoje.

Existem tanto cursos “isolados” sobre um determinado tema  como outros que são “Especializações”, ou seja um conjunto de cursos (em geral 5 + um projeto final) que também podem ser feitos individualmente. Todos os cursos podem ser feitos sem certificado final (gratuitos) ou com direito a certificado (em média, uns USD50/curso).

Aqui vão algumas sugestões de cursos que estão abertos no momento, outros que já fecharam, mas ainda disponibilizam conteúdos e alguns que ainda estão por vir:

O legal é explorar as plataformas (no primeiro parágrafo estão os links) e encontrar o curso que te apetece. Tem para todos os gostos!

Boa sorte, arregasse as mangas e mande bala!

Saludos!

File 1-12-16, 19 31 04

File 1-12-16, 19 27 12

File 1-12-16, 19 26 44

 

 

MJRoBot I – O Robot de Berkeley

11 11UTC janeiro 11UTC 2016 — 2 Comentários

Passos para a construção de um robot autônomo.

Continue lendo...